Biotecnologia – Portugal

Investigadores brasileiros apostam no biodiesel apartir de microalgas 05/08/2009

Filed under: Biotecnologia,Notícias — Hugo Azevedo @ 14:55

Cultivo_bolsas+pl%C3%A1sticas_100+L_UFSC[1]Investigadores brasileiros estão a investir num projecto que visa a utilização de microalgas para a produção de biodiesel.

“As pesquisas estão adiantadas e o teste prático será feito ainda no fim deste ano na termoeléctrica do Porto do Pecém”, informou à Lusa o professor José Osvaldo Bezerra Carioca, presidente do Centro de Energias Alternativas e Meio Ambiente (Cenea), organização social instalada em Fortaleza, no estado brasileiro do Ceará.

De acordo com o cientista brasileiro, o projecto despertou o interesse de países como Inglaterra e França, entre outros, dispostos a investir em futuros negócios.

“A maior fornecedora de diesel para táxis e sistemas de transporte da Inglaterra já nos procurou com a finalidade de comercializar o óleo”, adiantou o coordenador do projecto que envolve uma equipa de dez investigadores.

O investigador acrescentou que a soja cultivada pode render 400 litros de óleo por hectare/ano, por exemplo, enquanto as microalgas alcançam, no mínimo, 10 mil litros por hectare/ano, mas podem superar os 20 mil litros por hectare/ano.

Desenvolvido em parceria com estatal Eletrobrás e a Termoelétrica Endesa Fortaleza, empresa do grupo italiano ENEL, o estudo viabilizaria a produção de biodiesel no Nordeste do Brasil, “um dos melhores lugares do planeta para o cultivo de microalgas”, segundo o professor.

“Estamos próximos da linha do Equador, com dez horas de sol por dia”, justificou Bezerra Carioca.

Segundo o professor, embora cresçam no mesmo ambiente que as algas, as microalgas são mais versáteis, têm produtividade muito superior e podem ser cultivadas em água do mar, salinas e até em esgotos.

Para já, o Cenea está a trabalhar com Laboratório de Ciencias Marítimas (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC), e com o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), “que tem um centro de cultivo de microalgas”.

“Ainda precisamos definir o volume de recursos necessários para montar a infra-estrutura do laboratório de quantificação e uma planta-piloto de produção de biodiesel”, explicou, adiantando que estes projectos “serão financiados pela Eletrobrás, interessada em dominar essa tecnologia e tornar o biodiesel economicamente viável”.

 

Cientístas Japoneses descobrem técnica que podera ser usada para crescer órgãos

Filed under: Biotecnologia,Notícias — Hugo Azevedo @ 14:36

33840[1]Investigadores da Universidade de Tóquio desenvolveram por bio-engenharia germes de dentes que transplantaram em ratos.

 

Investigadores japoneses conseguiram fazer crescer dentes de substituição em mandíbulas de ratinhos usando uma técnica que poderá levar ao desenvolvimento de órgãos completos em organismos, indica um estudo hoje divulgado.

 

Já existia tecnologia capaz de desenvolver alguns tecidos em laboratório que depois podem ser transplantados em animais. Mas o que a equipa de Etsuko Ikeda, da Universidade de Ciências de Tóquio, agora explora são meios para fazer crescer órgãos no próprio organismo.

 

Os cientistas desenvolveram por bio-engenharia um germe de dente, com características semelhantes às de uma semente com as células e as instruções necessárias para formar um dente, e transplantaram-no em mandíbulas de ratinhos.
Segundo o estudo, esses germes cresceram normalmente dando origem a dentes perfeitamente funcionais, com dureza comparável à dos naturais e fibras nervosas capazes de responder a estímulos de dor.

 

Seguindo a expressão genética com uma proteína fluorescente inserida no germe transplantado, os investigadores comprovaram que os genes activados no desenvolvimento dos dentes estavam também activos durante o crescimento dos dentes de substituição.

 

A técnica usada poderá levar ao desenvolvimento de órgãos de substituição e permitir fazer crescer órgãos funcionais completos dentro de organismos a partir de células estaminais ou outras células germinais.

 

“Propomos esta tecnologia para modelo de futuras terapias de substituição de órgãos”, escreveram os investigadores no estudo, publicado na revista norte-americana «Proceedings of the National Academy of Sciences».

 

Artigo: Etsuko Ikeda, Ritsuko Morita, Kazuhisa Nakao, Kentaro Ishida, Takashi Nakamura, Teruko Takano-Yamamoto, Miho Ogawa, Mitsumasa Mizuno, Shohei Kasugai e Takashi Tsuji
Fully functional bioengineered tooth replacement as an organ replacement therapy
PNAS 2009 : 0902944106v1-pnas.0902944106.